pasted-1
Durante a gestação, são muitas as transformações no corpo da mulher, todos órgãos e sistemas se adaptam a esse momento.

O bebê tem como moradia, pelos próximos nove meses, o útero materno.

Todos os nutrientes necessários à sua formação orgânica, física e mental dependem da saúde e do estado nutricional da mulher. É preciso então assegurar o suprimento contínuo de macro e micronutrientes, e uma ingestão calórica ideal.

As práticas alimentares na gestação vão repercutir também na vida adulta, na saúde de ossos e dentes, desenvolvimento do paladar e olfato, e até como fator preditor de doenças crônicas, tipo obesidade e diabetes.

GESTANTES


 

1. Equilíbrio alimentar

Em cada fase da gestação, são diferentes transformações no corpo da mulher e diferentes etapas de desenvolvimento do bebê, sendo assim, há demandas específicas para cada período. Os suplementos vitamínico-minerais podem complementar, mas a melhor fonte ainda é a alimentar.

 

4. Diabetes Gestacional

É uma doença metabólica que pode surgir na gestação, por algum defeito no funcionamento ou na produção da insulina. Tende a aparecer entre a semana 20 e 24 da gestação, e se diagnosticada, requer novas condutas alimentares, principalmente quanto ao consumo de carboidratos.

 

2. Queixas

Várias alterações orgânicas típicas da gestação podem ser atenuadas, como enjôo, constipação, fome excessiva, refluxo, câimbras.

 

 

 

5. Iniciando com excesso de peso ou na faixa de magreza

É recomendável buscar auxílio nutricional nas primeiras semanas, para rapidamente reorganizar a sua alimentação.

É muito comum, ainda no começo da gestação comer o que se tem vontade, sem a devida atenção, e como resultado ganhar vários quilos extras. Feito isso, não se deve fazer “dietas” para emagrecer, e sim passar então a comer de forma satisfatória.

 

3. Ganho de peso na gestação

Essa é uma preocupação frequente para gestantes e seus obstetras, já que ganhar o peso esperado, sem excesso, favorece uma gravidez e parto tranquilos, com menos intercorrências. Além disso, voltar ao peso pré-gestacional será bem mais fácil.

 

 

6. Distúrbio hipertensivo específico da gravidez

Quando a mulher inicia a gestação com hipertensão ou quando a desenvolve ao longo da gravidez, é momento de avaliar o consumo de sal e alimentos ricos em sódio, como também verificar o aporte de micronutrientes (vitaminas e minerais) que podem colaborar para o equilíbrio da pressão arterial.

 

SUGESTÃO DE PROGRAMA PARA UMA GESTAÇÃO SAUDÁVEL:

Consulta inicial + dois retornos (normalmente no 2º e 3º trimestres).

Pós parto e lactação


Após o nascimento, três pontos são relevantes para a mulher: a boa saúde da mãe, amamentação e o desejo de voltar ao peso inicial.

 

1. Saúde da mãe

Ter finalmente seu bebê nos braços, após nove meses de gestação é maravilhoso, mas também é cansativo, afinal são muitas tarefas e responsabilidades. Por conta disso é preciso comer equilibradamente, garantindo energia e boas condições de saúde.

 

2. Amamentação:

A produção adequada de leite materno, como também a sua composição e qualidade estão associados com a sua alimentação, hidratação e seu estado emocional. O leite materno, além de ser o único alimento do bebê nos seis primeiros meses de vida, tem inúmeros benefícios, principalmente ao sistema imunológico do bebê, fornecendo uma série de fatores de proteção.

 

3. Peso inicial

Perder os quilos extras adquiridos na gestação e cuidar de si também são muito importantes nesse momento.
Após o parto, sugerimos uma consulta nos primeiros dois meses.