home-lanche-325pxTodos os nutrientes necessários ao funcionamento das células do organismo são, em grande parte, fornecidos através dos alimentos consumidos. É por isso que uma alimentação harmônica garante equilíbrio físico, mental e emocional.

Quando bate a fome, vem à cabeça os alimentos que estamos acostumados e que gostamos, até porque o comer está associado a prazer, e muitas vezes, a emoções e sentimentos. Muitas vezes as pessoas comem no “automático”, sem pensar na melhor escolha.

O acompanhamento nutricional caminha contemplando essas duas vertentes: “comer de forma saudável e também prazerosa”.

Quando buscar auxílio?


1. Qualidade de vida

Quando você percebe que a sua alimentação, ao invés de ajudar, está prejudicando o seu rendimento, ou quando o seu corpo dá sinais de que algo precisa ser melhorado, é momento de rever o seu padrão alimentar.

Nosso organismo tem demandas diárias de todos nutrientes, e a deficiência pode resultar em fadiga, baixa imunidade, alterações de humor, compulsão por doces, queda de cabelo, entre vários outros sintomas.

O acompanhamento nutricional visa rever velhos comportamentos e incorporar novas práticas alimentares.

 

 

2. Como coadjuvante no tratamento de patologias

Quando você é acometido por alguma doença ou tem os seus exames de saúde alterados, é momento de fazer modificações no seu modo de vida. A alimentação normalmente é um dos fatores envolvidos, e pequenas mudanças podem fazer uma grande diferença.

Para cada patologia, e para cada pessoa, são indicadas condutas alimentares específicas. E quando necessário, uma suplementação vitamínico-mineral e de fitoterápicos pode auxiliar.

Exemplos: doenças cardiovasculares, níveis elevados de colesterol, triglicérides e glicemia, hipertensão, refluxo e gastrite, constipação e flatulência, esteatose hepática,  anemia, etc

 

3. Para suporte no tratamento de doenças crônicas, associadas com dor, como fibromialgia, artrite reumatóide, osteoartrite, endometriose

Durante os processos fisiológicos são formados radicais livres, compostos esses que são neutralizados pelo sistema antioxidante.

Nos processos inflamatórios, há justamente uma elevada produção de radicais livres e consequentemente uma forte demanda por nutrientes antioxidantes e compostos bioativos que atuam no sistema imune e na modulação da inflamação. Mais uma vez, é preciso ajustar a oferta de todos eles.

Com relação ao peso corporal, a obesidade é uma doença caracterizada por uma inflamação subclínica, de pequeno grau, que pode piorar o estado de indivíduos com doenças crônicas associadas a dor. Perder peso é uma boa opção.

4. Em crianças e adolescentes

Não é tarefa fácil aos pais convencer os filhos a ter hábitos alimentares mais saudáveis, e muitas vezes é preciso procurar um profissional para interceder . É preciso envolver, transmitir informações sobre os alimentos de forma lúdica, ensinar as melhores combinações, orientar na escolha dos lanches (e lancheira).

Vale ressaltar que a parceria dos pais é fundamental ao sucesso dessa abordagem, visto que são eles os responsáveis pela seleção e compra dos alimentos, pela definição dos horários das refeições, e principalmente pela supervisão direta da criança ou do adolescente.